MAPEANDO O AXÉ

4 MIL TERREIROS ESTÃO EM QUATRO DAS 26 CAPITAIS BRASILEIRAS

Quatro mil terreiros de religiões de matriz africana estão situados em apenas quatro das 26 capitais brasileiras: Belém, Belo Horizonte, Porto Alegre e Recife.

A informação é resultado do Mapeamento das Comunidades Tradicionais de Terreiro, realizado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) em parceria da Fundação Cultural Palmares (FCP) e da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR).

O mapeamento teve o objetivo de conhecer a realidade dos terreiros: quem são, onde estão localizados, suas principais atividades comunitárias, situação fundiária, infra-estrutura, entre outros aspectos sócio-culturais e demográficos. A pesquisa enfatizou a dimensão comunitária e o caráter étnico, considerando a organização social e o trabalho tradicionalmente desenvolvido pelos povos de terreiro.

O projeto foi executado pela Associação Filmes de Quintal, instituição habilitada por meio de edital público e efeito de mobilização e luta dos povos de terreiro por reconhecimento e respeito às suas tradições e ancestralidade. O número total de casas pesquisadas, no período de maio a agosto de 2010, foi de 4.045, sendo 1089 na Região Metropolitana de  Belém, 353 na Região Metropolitana de Belo Horizonte;  1342 na Região Metropolitana de Porto Alegre e 1261 na Região Metropolitana de Recife.

Os dados farão parte de um banco que servirá de base para as políticas públicas junto a estas comunidades.

Solidariedade social – De acordo com a coordenação do projeto a ênfase do programa está na promoção da segurança alimentar e nutricional por considerar que os terreiros desempenham um papel extremamente importante neste trabalho. Nesses espaços, marcados pela solidariedade social, é prática comum a distribuição de alimentos, a valorização dos alimentos saudáveis, diversificados e culturalmente adequados.

Os povos de terreiro também se destacam pela diversidade compondo um cenário extremamente plural: candomblé, umbanda, batuque, nação, tambor de mina, xambá, omolocô, pajelança, jurema, quimbanda, xangô, dentre outras variantes. Durante a pesquisa a nomenclatura para a catalogação das comunidades de terreiro foi respeitada por auto-definição, informada pelo responsável pela casa.

O mapeamento construído com o protagonismo e a participação dos representantes de terreiro é parte integrante da estratégia do Governo Federal para a efetivação das políticas afirmativas, de respeito e fortalecimento da diversidade étnico-racial e de promoção da soberania alimentar no Brasil.

Para ter acesso aos dados clique aqui

Fonte: com informações do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Anúncios

Um comentário sobre “MAPEANDO O AXÉ

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s